domingo, 17 de dezembro de 2017

CASAS


Após a devastação dos fogos, tornou-se necessário reconstruir 800 casas no Norte do país. Uma boa oportunidade para mudar a paisagem rural, um pesadelo de casas altas como catedrais, telhados alucinantes, escadas exteriores, muros com rebites dourados, ninfas de gesso no portão e ausência de árvores nos quintais. Neste momento, em Pedrógão Grande, estão prontas 112 casas novas. A que se vê na foto é um bom exemplo do que devia ser a regra. Mas, no mesmo local, existem outras reconstruídas segundo o modelo rural-canónico. É uma pena deixar passar esta oportunidade única.

Clique na imagem.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

RARÍSSIMAS


O folhetim ainda vai no adro. Uma auditoria divulgada há pouco demonstra que foi Joaquina de Magalhães Teixeira, antiga vice-presidente (saiu em Julho) da associação, quem desviou donativos em dinheiro no valor de 270 mil euros, enviados para a Delegação Norte, na Maia. Além dessa verba, também não depositou mais 57 mil euros. Foi Paula Brito Costa quem, em Julho, alertou a Judiciária.

Toda a roupa suja na RTP, a partir das 20h.

PESSOA 2017


O arquitecto Manuel Aires Mateus, 53 anos, é o vencedor do Prémio Pessoa 2017. Em Portugal, a obra mais recente é o edifício-sede da EDP, em Lisboa. No estrangeiro, é o Centro de Criação Contemporânea de Tours. Manuel Aires Mateus leccionou na Graduate Scholl of Desing, de Harvard (USA), leccionando actualmente na Accademia di Architettura de Mendrisio, na Suíça. Um prémio merecido.

EUROSONDAGEM


Maioria de Esquerda = 55,8%. Sozinho, o PS ultrapassa a PAF em 5,4%. Clique na imagem do Expresso para ler melhor.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

KAPUSCINSKI & SMITH


Hoje na Sábado escrevo sobre Ébano, do jornalista e escritor polaco Ryszard Kapuscinski (1932-2007), várias vezes foi apontado para o Nobel. A conjuntura política internacional é favorável à publicação de obras de índole jornalística, o que talvez explique a “redescoberta” de Kapuscinski, que viveu muitos anos em África. Os portugueses devem-lhe uma das obras centrais sobre a descolonização de Angola. Kapuscinski não foi apenas um jornalista competente, é um autor no mais amplo sentido da palavra. Ébano, agora reeditado, colige trinta textos escritos a partir das suas experiências ao longo de quarenta anos, em países como o Gana, Mauritânia, Tanzânia (incluindo Zanzibar), Uganda, Quénia, Nigéria, Etiópia, Ruanda, Libéria, Sudão, Senegal, Eritreia, etc. Como sempre, a escrita flui com naturalidade, misto de reportagem e diário de viagem, um livro sobre «algumas pessoas de lá, sobre os encontros que tive com elas, o tempo que passámos juntos.» É deveras curiosa a afirmação de que África só existe «como conceito geográfico», tal a multiplicidade de culturas, hábitos e costumes. «Toda a civilização técnica do século XIX foi levada para o interior à cabeça dos seus habitantes...», é um bom exemplo das sínteses, literariamente bem conseguidas e factualmente exactas, com que o autor pontua o livro. O mesmo não se pode dizer do tom paternalista de certas passagens. Por exemplo, a independência do Tanganica (1961), actual Tanzânia, é relatada com humor não isento de bílis anti-colonial. Execrar o colonialismo é uma atitude sensata que dispensa a caricatura da realidade. É um disparate afirmar que «um simples funcionário dos correios de Manchester» recebesse, ao chegar ao Tanganica, casa com piscina, jardim, carros e criados. É provável que isso acontecesse com um juiz transferido directamente de Old Bailey (Londres) para Dar-es-Salaam, mas nunca com um funcionário subalterno. Kapuscinski não resiste ao clichê dos colonos doublé de nababos, como aliás já tinha ensaiado em Mais um Dia de Vida, o livro sobre Angola. Traduzido a partir da edição alemã, o livro teria ganho em manter o título Febre Africana, mais assertivo que Ébano, o título original. A metáfora (infeliz) não ilude o acto falhado. Três estrelas. Publicou a Livros do Brasil.

Escrevo ainda sobre Como Ser Uma e Outra, da escocesa Ali Smith (n. 1962). Com duas colectâneas de contos e seis romances publicados no nosso país, a autora dispensa apresentações. Verdade que o teatro permanece inédito, mas lá chegaremos. Activista LGBT, Ali Smith é uma das vozes mais eloquentes da ficção britânica dos últimos vinte anos. Acabado de traduzir, Como Ser Uma e Outra é um romance com romance dentro. Se quisermos, até são duas novelas intercaladas. Quem conduz a história é George, uma rapariga de 16 anos que vive em Cambridge e tem de lutar com os fantasmas suscitados pela morte súbita da mãe, uma militante de Esquerda ‘sinalizada’ pelos serviços secretos. A história ganha espessura à medida que outra rapariga (uma projecção das fantasias de George) assume a persona do pintor renascentista Francesco del Cossa, autor dos frescos do Palazzo Schifanoia, de Ferrara. A androginia de Cossa remete para questões identitárias, tema central da obra de Ali Smith. A precisão dos detalhes sobre a vida e obra do pintor intrometido no plot são indeclináveis. Universo ficcional? Com certeza. O alto conseguimento da prosa serve de apoio a uma narrativa nem sempre linear. Quatro estrelas. Publicou a Elsinore.

PRIVACIDADE

Nas democracias, os políticos, eleitos ou nomeados, não gozam do privilégio da privacidade. Isso acabou há cem anos. Tudo é escrutinado, das escolas dos filhos à situação laboral dos empregados domésticos. E, por maioria de razão, a vida conjugal ou para-conjugal. Quem alguma vez viu o programa 60 Minutos conhece as regras. (A compostura dos entrevistadores é outro campeonato.) Podemos achar que beltrana ou fulano são profissionais inquinados, mas para isso há remédio: ficam na rua.

Em 2001, quando Hillary Clinton, finda a presidência do marido, concorreu ao lugar de senadora pelo Estado de Nova Iorque, o casal arranjou casa num subúrbio elegante da cidade. Pois bem, a imprensa de referência (não foram os tablóides) andou semanas a ver à lupa os rendimentos dos Clinton, porque, argumentava o NYT, aquela casa era excessivamente cara para as posses do ex-Presidente e mulher. Teriam tido acesso a crédito por serem quem eram? Como iam pagar? Etc. É aborrecido, eu sei, mas quem corre por gosto não cansa.

ÓPERA BUFA

Quero acreditar que o ministro Vieira da Silva está isento de qualquer tipo de responsabilidade no destrambelho da Raríssimas. Nessa medida, aguardo com expectativa as explicações que der ao Parlamento. Porque os avanços e recuos das suas intervenções públicas têm contribuído para a confusão. Digo isto com pena, mas o Governo não pode ficar refém de uma ópera bufa.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

VERDADE CELESTIAL

Ao fim de 11 meses, terminou o julgamento da seita pedófila Verdade Celestial. As penas foram conhecidas ontem: 23 anos para o principal arguido, 19 anos para mais quatro arguidos, oito anos para um e 7 para dois. Estas oito criaturas, cinco homens e três mulheres, abusavam sexualmente de crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 15 anos. O principal arguido abusava do próprio filho de 7 anos, embora o miúdo também fosse abusado por outros membros da seita. Outro arguido também abusava do filho de 5 anos. A mãe e a mulher do principal arguido foram absolvidas por não ter ficado provado que sabiam dos factos. Tudo se passava na casa de uma quinta de Brejos do Assa, em Palmela. Em nome de Deus, ali se praticavam rituais purificadores de sexo selvagem. Isto durou até Junho de 2015. A bestialidade metia futebol e Facebook, áreas de recrutamento das vítimas. Apesar do horror associado, o caso passou nos interstícios dos noticiários. Ao pé disto, o Caso Casa Pia foi uma brincadeira de mau gosto que mobilizou a opinião pública e deixou o país em transe durante uma década.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

RARÍSSIMAS


Criada em 2002 por Paula Brito Costa, quando Bagão Félix era ministro da Segurança Social, e Barroso primeiro-ministro, a Raríssimas tem sido o paradigma do circuito do filet mignon. Vejamos: do seu Conselho Consultivo de Reflexão Estratégica fizeram parte, entre outros, Leonor Beleza, Isabel Mota, actual presidenta da Gulbenkian, Maria de Belém, Maria da Graça Carvalho, Fernando Ulrich, António Cunha Vaz e Rui Santos Ivo, actual vice-presidente do Infarmed. Teresa Caeiro, deputada do CDS, presidiu à Assembleia Geral. Estranho é que em 15 anos nenhuma auditoria tenha dado por nada.

A sua fundadora foi sucessivamente proprietária (?) de um quiosque de jornais e revistas na Avenida Defensores de Chaves, professora de ginástica e, depois, manequim profissional durante nove anos. O primeiro filho de Paula Brito Costa nasceu com a síndrome de Cornelia de Lange, doença genética que provoca graves anomalias no desenvolvimento físico e intelectual das crianças. Por essa razão, foi obrigada a deslocar-se várias vezes aos Estados Unidos e a Itália, onde a criança foi tratada na medida do possível. Foi a morte desse filho, aos 18 anos, que levou à criação da Raríssimas. Maria Cavaco Silva apadrinhou a Casa dos Marcos, sede da associação.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

CIRCUITO DO FILET MIGNON


No regresso a Lisboa, depois de uns dias no Douro, fui surpreendido com o caso Raríssimas, a Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras que tem Paula Brito Costa como presidenta. Não vi a reportagem da TVI e só hoje dei atenção ao assunto. Conclusão: caso de polícia. Fazer disto um escândalo nacional é coisa de país pequeno.

Percebo demasiado bem a tentativa de colagem ao PS, mas a manobra não colhe. Meter a deputada Sónia Fertuzinhos ao barulho por causa de uma viagem à Suécia, em Setembro de 2016, é um expediente de má-fé. Sónia Fertuzinhos participou na conferência “Workshop on Improving Integrated Care for People Living with Rare Diseases and Complex Conditions”, que teve lugar em Gotemburgo, tendo a Raríssimas pago em Portugal o transporte, despesa que foi reembolsada na íntegra pela organização sueca.

Claro que excita o povo ver a mulher do ministro Vieira da Silva envolvida nesta trapalhada. Paula Brito Costa, que alegadamente usou dinheiros públicos para comprar gambas e trapos, já foi suspensa de funções até ao apuramento dos factos? Isso é que interessa. Habituadas ao circuito do filet mignon, este tipo de criaturas julga-se impune.

Na imagem, da esquerda para a direita, Paula Brito Costa, a rainha de Espanha e Maria Cavaco Silva. Clique.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

COSTA


O jornal americano Politico fez a lista das 28 personalidades mais influentes da Europa. António Costa está em 9.º lugar. Porque:

«O primeiro-ministro português, um socialista bem-sucedido, está a moldar, agitar e fazer mexer a Europa. Ao contrário de outros socialistas manchados pela associação a tempos difíceis, Costa conseguiu apresentar-se como um campeão da mudança, capaz de mudar a página da austeridade. Ele teve a capacidade extraordinária de conseguir equilibrar as exigências da esquerda para reverter as medidas austeras da recessão com uma mudança cautelosa, que agradou aos investidores estrangeiros e aos parceiros de Portugal na zona euro

Para quem não sabe, o Politico, fundado em 2007, tornou-se a Bíblia do jornalismo político de referência, com influência planetária.

A imagem mostra 12 das 28 personalidades. Clique.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

AMOS OZ


Hoje na Sábado escrevo sobre Entre Amigos, de Amos Oz (n. 1939). Ninguém melhor que o autor para nos contar o quotidiano de um kibutz. É isso que volta a fazer, de forma admirável, neste romance. Amos Oz é um israelita não alinhado com a actuação do Governo, uma voz incómoda para o establishment, defensor da solução dos “dois Estados”, um deles palestiniano. A vida de um kibutz é uma realidade que conhece bem: aos catorze anos, dois após o suicídio da mãe, foi para o kibutz de Hulda, modelo plausível para o Ykhat do livro. A acção das oito narrativas decorre nos anos 1950, os da fundação de Israel, uma era de contradições que o autor explora com detalhe e elegância. Problemas individuais vividos num caldo de cultura comunitária, de raiz marxista, tais como saber se a guarda nocturna de bebés deve caber aos pais ou a todos os membros do kibutz. Temas aparentemente “naturais”, como seja a crueldade dos pré-adolescentes, são descritos com nitidez gráfica. De certo modo, pode dizer-se que Entre Amigos é um bildungsroman, não de um personagem em particular, mas de uma comunidade unida por laços de sobrevivência. Cinco estrelas. Publicou a Dom Quixote.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

XEQUE-MATE


Pablo Llarena, juiz do Supremo Tribunal de Espanha, notificou a Bélgica da cessação imediata dos mandatos de prisão contra Puigdemont, Antonio Comín, Lluís Puig, Meritxell Serret e Clara Ponsatí. Deste modo, a justiça espanhola põe termo ao imbróglio de saber se os crimes de que estão acusados têm correspondência no quadro jurídico belga. Por exemplo, o crime de rebelião.

Caso Bruxelas extraditasse os fugitivos com ressalva desse crime, os tribunais espanhois ficavam impedidos de os julgar à luz do delito. Dito de outro modo, ficavam numa situação de privilégio face aos companheiros que permanecem em Espanha.

Podem portanto continuar na Bélgica, ou ir para outro país que os aceite. Se regressarem a Espanha são presos na fronteira.

Na imagem, primeira das nove páginas do auto. Clique.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

CENTENO PRESIDE AO EUROGRUPO


Mário Centeno foi hoje eleito presidente do Eurogrupo, cargo que exercerá a partir do próximo dia 13 de Janeiro, em acumulação com o de ministro das Finanças de Portugal. Ver Centeno a suceder a Dijsselbloem sob o aplauso da UE, ultrapassa a twilight zone mais fantasmática.

Clique na imagem.

domingo, 3 de dezembro de 2017

SINISTRO


O governo do Estado do Rio de Janeiro pretende expulsar da cidade os sem-abrigo que tomaram conta dos passeios, largos e jardins dos bairros da zona Sul (Copacabana, Ipanema, Leblon, São Conrado), improvisando barracas onde vivem. São cerca de 20 mil as pessoas afectadas com a possibilidade de serem repatriadas para as cidades e vilas de origem, no âmbito do programa estatal De Volta à Terra Natal.

Clique na imagem.

sábado, 2 de dezembro de 2017

SIMPLEX

Os direitolas gozam com o Simplex porque ele começou no tempo de Sócrates, mas a realidade caiu-lhes em cima. O Serviço de Reformas Estruturais da União Europeia está a estudar o impacto do Simplex na administração pública e na economia portuguesa, com vista a fazer dele uma directiva europeia. Isso feito, cada Estado-membro adoptará o Simplex adequado à sua realidade, integrando-o no respectivo quadro jurídico.

Fora da Europa, também o Egipto e Marrocos estão interessados em adoptar o Simplex.

Parabéns a Graça Fonseca, a secretária de Estado que no âmbito da Modernização Administrativa gere o Simplex, e lhe deu um grande impulso.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

FLYNN MENTIU


O general Michael T. Flynn, primeiro Conselheiro de Segurança Nacional da administração Trump, declarou-se culpado de perjúrio ao FBI.

Hoje, perante o Tribunal Federal de Washington, admitiu ter mentido duas vezes sobre os seus encontros com o embaixador russo Sergey I. Kislyak, os quais tiveram por objectivo ‘neutralizar’ a reacção de Putin face à expulsão de 35 diplomatas russos, decretada por Obama, sob acusação de interferência na campanha de Hillary Clinton. Flynn prometeu que Trump poria fim às sanções económicas, e Putin ignorou a expulsão.

Tudo se passou na capital americana, em Dezembro de 2016, durante a transição presidencial. A Casa Branca ainda não reagiu. Curiosidade: Flynn trabalhou 25 meses com Obama e 25 dias com Trump. Ao pé do que hoje se soube, o imbróglio em que está metido o genro do presidente é uma brincadeira de crianças.

Podia se um episódio de House of Cards.

INTIMIDAÇÃO


A imagem é do Twitter, foi obtida hoje às 06:30, e vem estampada nas edições online de muitos jornais. Numa via rápida à entrada de Barcelona foram pendurados 'corpos' identificados com os símbolos dos partidos constitucionalistas, ou seja, anti-independência catalã. Sem comentários.

Clique na imagem para ver melhor.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

ZÉ PEDRO 1956-2017


Morreu hoje o Zé Pedro, guitarrista e músico fundador da banda Xutos & Pontapés.
Clique na imagem.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

EROTISMO BRASILEIRO


Hoje na Sábado escrevo sobre a notável Antologia de Poesia Erótica Brasileira organizada por Eliane Robert Moraes, professora de literatura brasileira e especialista na obra de Bataille, que agora chegou à edição portuguesa. Uma antologia de poesia erótica causa sempre embaraço nos espíritos sensíveis. Uma antologia (não confundir com um compêndio de poemas), isto é, uma selecção fundamentada, com critérios bem definidos e notas biobibliográficas dos autores. A organizadora assina a introdução, a nota editorial, e um longo estudo crítico em forma de posfácio. O espectro temporal é muito longo: vai de 1623 (Gregório de Matos) a 1963 (Claudia Roquette-Pinto), ou seja, mais de trezentos anos. O leitor pode aferir o modo como a poesia brasileira se libertou do cânone português a partir de 1922, graças à ‘revolução’ operada pela Semana de Arte Moderna de São Paulo. É deveras irónico verificar como Mário de Andrade, o poeta que fez a Semana para cortar o cordão umbilical com a tradição portuguesa, aparece representado com poemas pudibundos: «Aceitarás o amor como eu o encaro?...» Representado por 44 poetas, além dos anónimos, o século XIX é uma surpresa para qualquer leitor. Múcio Teixeira e Moysés Sesyom são revelações absolutas, mas nenhum pisa o risco do classicismo. Carlos Drummond de Andrade dispensa o linguajar fescenino, mas isso não dilui a força dos versos. A antologia recolhe autores canónicos, como os já citados Matos, Andrade e Drummond, mas também Tomás António Gonzaga, Gonçalves Dias, Olavo Bilac, Gilka Machado, Murilo Mendes, Vinícius de Moraes, João Cabral de Melo Neto, Millôr Fernandes, Ferreira Gullar, Hilda Hilst — Extasiada, fodo contigo / Ao invés de ganir diante do Nada —, Adélia Prado, Paulo Leminski, Antonio Cicero, Paulo Henriques Britto, Ana Cristina Cesar e Paulo Franchetti. Nascido em 1954, Franchetti assina um dos melhores poemas da selecção, O Fauno (pp. 258-9). A ausência de Eucanaã Ferraz não faz sentido, porquanto a sua poesia não é mais elíptica que a de outros seleccionados, detonando «comparações de grande alcance lírico» como as creditadas a João Cabral de Melo Neto. Em suma: indispensável. Cinco estrelas. Publicou a Tinta da China.

Escrevo ainda sobre Mea Culpa, o romance de Carla Pais (n. 1979) que esteve para vencer o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís, da Sociedade Estoril Sol, mas o júri foi obrigado a anular a escolha por ter havido violação do regulamento, não tendo o prémio sido atribuído a nenhuma das outras obras concorrentes. De facto, Mea Culpa não é a primeira obra da autora. Radicada em França, Carla Pais passou pela dura experiência da emigração, mas o livro tem acção centrada em Portugal, num lugarejo remoto onde nada parece ser o que é. Faz pouco sentido encontrar um exemplar do Livro do Desassossego naquele cenário, mas a deriva culturalista é uma pulsão recorrente na obra de autores novos. O realismo fantástico também: «A esposa do senhor presidente vem nua pela rua, traz na testa o suor dos pesadelos que atravessam a noite e repousam no sono.» A isto é de uso chamar-se ‘prosa poética’, embora, neste caso, o vernáculo («a filha que fodeu junto à figueira») dê cabo do propósito. O mais interessante é a tentativa, de certo modo conseguida, de provar que o sol não nasce da mesma maneira para todos. Três estrelas e meia. Publicou a Porto Editora.

PESADELO

Ontem, quando eram 18:30 em Portugal, a Coreia do Norte lançou um míssil balístico intercontinental Hwasong-15, capaz de transportar uma ogiva nuclear de grandes dimensões. Como o raio de alcance do Hwasong-15 é de 13 mil quilómetros, significa que pode atingir qualquer cidade dos Estados Unidos. Por exemplo, Washington fica a 11 mil quilómetros. Escusado será dizer que as cidades europeias também podem ser atingidas.

O seu lançamento em altura, por oposição à trajectória-padrão, evitou um alvo concreto e provou a capacidade do míssil, que atingiu 4.500 quilómetros de altura, indo cair em águas territoriais japonesas. Isto já foi confirmado pela Casa Branca, por Seul e Tóquio. Foi o 22.º lançamento de mísseis efectuados este ano pela Coreia do Norte. O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir hoje de emergência.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

FOCUS PAF


PSD e CDS ainda não largaram o osso do Focus Group organizado pelo Governo, em Aveiro, no sábado passado. Mas no tempo deles também se fazia. Ora vejam lá. Qualquer dúvida é só consultar a imprensa da época.

Clique na imagem para ler melhor.

HARRY


Soube-se ontem que o príncipe Harry vai casar na próxima Primavera com a actriz americana Meghan Markle. Os tablóides não têm poupado a futura duquesa de Sussex: além de estrangeira, é actriz, divorciada, mais velha que o príncipe, mestiça (a mãe é afro-americana), bisneta de um escravo, etc. Do outro lado da barricada, estudiosos de heráldica descobriram que a bisavó paterna de Ms Markle era descendente de John Hussey, 1.º Barão Hussey de Sleaford, mandado decapitar por Henrique VIII, e grande proprietária de terras. Isto é como as bichas do Bric: eram todas descendentes de Luís XIV. Algumas andam por aqui.

Clique na imagem do Guardian.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

TAMBÉM TU, URKULLU?

O Euzkadi Buru Batzar, órgão máximo do Partido Nacionalista Basco, tornou público o memorando da mediação conduzida por Iñigo Urkullu, presidente do Governo Basco, entre a Generalitat e Rajoy. Puigdemont não sai bem no retrato. Tudo começou a 19 de Julho, quando Rajoy recebeu Urkullu na Moncloa. Detalhes esquizofrénicos sobre a abortada convocatória de eleições: num espaço de poucas horas (em 26 de Outubro), Puigdemont disse e desdisse. Cartas para Juncker e Tusk que ficaram sem resposta. Um contacto com Matteo Zuppi, arcebispo de Bolonha, homem forte do Vaticano, para eventual mediação papal: a Santa Sé recusa categoricamente. O silêncio de Junqueras em todo o processo. A importância do discurso do rei. A percepção, face à opinião pública catalã, de que Puigdemont cometeu traição. A frase fatal antes da fuga: «Tengo una rebelión. No puedo aguantar

Entretanto, ontem, entrevistado por Henrique Cymerman para o programa Zman Emet, da estação israelita Canal 1 Kan, Puigdemont disse que tenciona propor aos catalães a saída da União Europeia se ela continuar a ser... «Um conjunto de países decadentes e obsolescentes, onde só alguns contam, uma confederação de interesses económicos cada vez mais discutíveis, com vários pesos e medidas para situações iguais. A Catalunha devia votar se aceita isto.» O homem ainda se julga o dono do pedaço.

sábado, 25 de novembro de 2017

25 DE NOVEMBRO


Como eu vivi o 25 de Novembro de 1975. Deixo aqui o excerto de uma passagem mais longa das minhas memórias:

[...] Passei o dia no Estoril, a tal ponto alheado dos acontecimentos que fui com o Jorge jantar a Lisboa e a seguir ao cinema. O Galeto teria talvez uma dúzia de clientes, mas no primeiro balcão do Império éramos os únicos espectadores. Só no comboio de regresso a casa soubemos do recolher obrigatório. O passeio impediu que tivéssemos visto Duran Clemente a ser substituído por Danny Kaye — The Man from the Diner’s Club foi o sinal inequívoco de que o PREC tinha acabado.

Com a imprensa nacionalizada desde a intentona de 11 de Março de 1975, o Governo impôs um período de nojo. Não se publicaram jornais durante mais de quinze dias. Quem quisesse saber o que se passava em Portugal, ouvia a BBC ou comprava o Monde.

A excepção era o Expresso, que durante dois meses (entre 5 de Novembro de 1975 e 7 de Janeiro de 1976) foi bissemanário, saindo às quartas e sábados. A edição extra era feita por Vicente Jorge Silva e Helena Vaz da Silva. Dos restantes, o primeiro a reaparecer foi o Diário Popular, que voltou à rua a 11 de Dezembro, mantendo Jacinto Baptista na direcção. Nesse mesmo dia começou a publicar-se um jornal ultra-conservador, O Dia, dirigido por Vitorino Nemésio. O Diário de Notícias esteve fechado praticamente um mês, voltando às bancas a 22 de Dezembro. Victor Cunha Rego era o director, e Mário Mesquita o adjunto. Vasco Pulido Valente entrou como colunista. O essencial do que lá escreveu está coligido num volume que «não [lhe] trouxe senão amargura».

Entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975, o Diário de Notícias fora porta-voz do Partido Comunista. Depois do saneamento dos 24, a direita lançou um slogan tonitruante: «O diário é do povo, não é de Moscovo!» Luís de Barros, marido de Maria Teresa Horta, era o director, mas quem de facto mandava era Saramago.

A contra-revolução não surpreendeu ninguém. O detonador foi a demissão de Otelo Saraiva de Carvalho do comando da Região Militar de Lisboa. Vasco Lourenço, que o substituiu, pôs um travão nas veleidades da extrema-esquerda militar e civil. Ao mesmo tempo, Soares induziu Pinheiro de Azevedo a cessar funções, dando origem à greve do Governo, com início a 19 de Novembro. Ministros e deputados trocaram Lisboa pelo Porto. Francisco Sá-Carneiro estava na RFA. A Constituinte suspendeu os trabalhos por oito dias.

Para quem estava de fora, a história conta-se numa frase: Soares e os militares moderados fizeram abortar a Comuna de Lisboa, pondo fim a dezanove meses de excessos. Se quisermos ver as coisas com distanciação histórica, diremos, com Jorge Silva Melo — «ao deixar Soares ser apoiado pela direita a partir da Alameda, é o 25 de Novembro que nasce». Vale a pena meditar. [...]

Eduardo Pitta, Um Rapaz a Arder, Lisboa: Quetzal, 2013.

BALANÇO


Nestes dois anos que leva de primeiro-ministro, António Costa conseguiu tudo o que em Novembro de 2015 parecia impossível.

A saber: a sociedade, crispada até ao paroxismo, distendeu; a paz social tem sido uma constante; o respeito internacional impôs-se (sirva de exemplo a eventual candidatura de Centeno à presidência do Eurogrupo); o sistema financeiro interrompeu a marcha para o abismo; a economia deu o maior salto dos últimos 50 anos; atingiu-se o défice mais baixo desde 1973; o PIB aumentou; o desemprego regressou ao nível de 2008; as obrigações do resgate têm sido aliviadas com pagamentos adiantados ao FMI; o país saiu do procedimento por défice excessivo; a Standard & Poor’s retirou Portugal do patamar de notação mais baixo; funcionários públicos e pensionistas libertaram-se do garrote do Governo PSD/CDS; foram revogadas leis ominosas do período 2011-15; as eleições autárquicas foram um barómetro eloquente; o apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV tem sido irrepreensível. Assim por alto é do que me lembro.

Mas não convém deitar foguetes. Uma trapalhada como a da putativa transferência do Infarmed pode deitar tudo a perder.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

PEDRO ROLO DUARTE 1964-2017


Vítima de cancro no estômago, morreu hoje o jornalista e editor Pedro Rolo Duarte. Tinha 53 anos. Conheci-o nos tempos do DNA, onde colaborei, e guardo dele uma grata recordação. À família, os meus sentimentos.

INFARMED, AGAIN

Cada cavadela sua minhoca. Entrevistado esta manhã pela Antena 1, o primeiro-ministro revelou que a transferência do Infarmed para o Porto fazia parte da candidatura da cidade para receber a Agência Europeia do Medicamento. Ora aí está uma informação desconhecida, até hoje, pelos trabalhadores do Infarmed e pela opinião pública. Porquê o secretismo?

Já agora: como a EMA vai para Amesterdão, o Pacote Invicta mantém-se?

António Costa reconheceu o gap comunicacional, e disse ainda:

«Pondo-me na posição de um funcionário do Infarmed, encararia a mudança com tranquilidade, quer porque a Lei me protege relativamente aos meus direitos quanto à mobilidade, quer porque sei que tenho seguramente uma administração e um Governo que saberá dialogar para encontrar as melhores soluções, para que o Porto possa ter o Infarmed e eu possa ter boas condições para, no Infarmed ou noutro serviço, poder continuar a desempenhar a minha actividade

Alguém anda a tramar o PM.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

LEWIS & ALMADA


Hoje na Sábado escrevo sobre Isso Não Pode Acontecer Aqui, de Sinclair Lewis (1885-1951). A inesperada eleição de Trump desenterrou este livro esquecido do autor. Como os factos provaram, pôde. Publicado em 1935, o romance antecipa o folclórico modus operandi da actual administração americana. Berzelius Windrip, personagem inspirada na figura de Huey Long, governador da Louisiana, é uma antevisão de Donald Trump, «o homem certo para fazer retroceder os espiões judeus, sujos e ladrões que se fazem passar por liberais americanos!» É só trocar ‘espiões judeus’ por ‘membros do Daesh’ para aceder à realidade. Roosevelt, derrotado pela oratória de Berzelius Windrip em prol dos valores tradicionais e dos anseios dos trabalhadores ignorados pelas elites, faz as vezes de Hillary Clinton. Também há jornalistas liberais que não largam as canelas do novo presidente: Doremus Jessup é um deles. (Quando o livro saiu, toda a gente viu no personagem o retrato de um influente repórter.) Berzelius Windrip acusa a imprensa de inventar mentiras a reboque da retórica dos intelectuais liberais, o jogo sujo da democracia parlamentar e os políticos ‘profissionais’. Um livro profético? Tudo indica que sim. A escrita elegante e irónica de Sinclair Lewis faz uma grande angular sobre a América do pós-New Deal, que o mesmo é dizer uma crítica mordaz das sequelas do capitalismo selvagem, das corporações dominantes (indústria militar incluída) e dos interesses de casta. O busílis não se resume à política interna. Em 1935, o nazismo estava no auge e a possibilidade de atravessar o Atlântico preocupava os democratas: «Tal como sucedera anteriormente com Hitler e Mussolini, Windrip & C.ª tinham descoberto [a forma de] controlar cada artigo de imprensa.» Sinclair Lewis sabia do que falava. A mulher tinha entrevistado Hitler durante uma viagem à Alemanha, bem como Huey Long (enquanto candidato às Primárias), e as idiossincrasias de ambos foram o detonador do plot. O que impressiona é a nitidez do decalque com 80 anos de intervalo. O lado paródico tem páginas deveras bem conseguidas, graças sobretudo aos militares e aos serviços secretos. Este romance distópico foi adaptado ao teatro, ao cinema e à televisão. Quatro estrelas. Publicou a Dom Quixote.

Escrevo ainda sobre Raparigas Mortas, de Selva Almada (n. 1973), livro que tem o femicídio como tema central. A escritora argentina usou três casos verídicos para ilustrar o crime de género que tem por objecto o assassinato de mulheres. O livro é narrado na primeira pessoa. Estamos no domínio da não-ficção em formato romance, método que tem o seu epítome em Truman Capote. A escrita é lapidar: «uma única punhalada no coração quando ela estava a dormir. Como se a própria cama fosse a pedra dos sacrifícios.» Foi assim que Andrea Danne morreu. Tinha 19 anos. Maria Luísa Quevedo foi violada, estrangulada e abandonada num baldio. Tinha 15 anos. Sarita Mundín esteve desaparecida nove meses até que o seu esqueleto apareceu nas margens de um rio. Tinha 20 anos. Selva Almada intercala no relato parte da sua biografia, bem como episódios de bestialidade masculina: «penetraram-na os dois, cada um por sua vez, várias vezes. E quando as vergas se fartaram, continuaram a violá-la com uma garrafa.» Afinal, ela não passava de uma «aquece-braguilhas». Aconteceu na Argentina, nos anos 1980. Continua a acontecer. Cinco estrelas. Publicou a Dom Quixote.

A VIDA COMO ELA É


Reunidos ontem em plenário, 97% dos funcionários do Infarmed manifestaram-se indisponíveis para ir para o Porto, mesmo com incentivos Os questionários individuais já estão nas mãos do ministro da Saúde.

A imagem é do Expresso. Clique nela.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

PRISÃO PERPÉTUA


Acusado de genocídio, extermínio, assassinato e perseguição de populações civis, Ratko Mladić foi hoje condenado a prisão perpétua pelo ICTY — International Criminal Tribunal for the former Yugoslavia. Mladić, hoje com 74 anos, ficou conhecido como o açougueiro da Bósnia depois do massacre de Srebrenica, ocorrido em Julho de 1995, no qual morreram mais de oito mil bósnios. Estava preso na Holanda desde Maio de 2011.

Por decisão das Nações Unidas, votada em 2015, esse assassinato em massa ordenado por Mladić é considerado genocídio.

INFARMED


Disclaimer: é-me indiferente que a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde esteja sedeada em Lisboa ou na Alpendurada. Isto dito, vamos ao que interessa. Quando ontem, alegadamente às 08:35 da manhã, o ministro da Saúde telefonou ao Presidente da Câmara do Porto para lhe dizer que, a partir de Janeiro de 2019, o Infarmed seria transferido para o Porto, apanhou toda a gente de surpresa (até o primeiro-ministro, segundo consta). A presidenta do Infarmed, Maria do Céu Machado, terá sabido minutos antes. Os funcionários da casa souberam pela imprensa. A indústria farmacêutica, idem. Os outros ministros, idem.

A ideia de Adalberto Campos Fernandes será a de criar dois pólos: a sede no Porto, e uma delegação em Lisboa que asseguraria 30% das actuais competências do Infarmed. Para o Porto seriam transferidos 350 funcionários, ficando em Lisboa cerca de 50. Tudo isto é muito bonito, e pôs Rui Moreira em ponto de rebuçado, mas como os funcionários públicos não podem, contra sua vontade, ser transferidos para mais de 50 quilómetros da sua residência, é preciso cortar o nó górdio.

A Federação de Sindicatos da Administração Pública foi clara: «É uma situação caricata. Não é possível obrigar os trabalhadores a mudar para 300 quilómetros de distância da residência.» Acresce que Maria do Céu Machado não vê como possa ser feita a escolha de uns e de outros, «porque as pessoas trabalham em conjunto

Recrutar funcionários no Porto parece-me a solução mais prática, embora um concurso público dessa natureza leve, no mínimo, 18 meses (sem recursos). Transferir um serviço público não é o mesmo que transferir uma galeria de arte. Passando por cima disto tudo, sobra o detalhe da habitação (decisivo na escolha da EMA), porque a maioria dos portugueses estão amarrados a hipotecas de casas, factor que muito prejudica a mobilidade de profissionais de todas as áreas. Mais: os maridos e as mulheres dos funcionários do Infarmed demitem-se dos respectivos empregos para acompanharem os cônjuges?

Hoje há plenário de trabalhadores indignados com o voluntarismo do ministro da Saúde. Aguardar os próximos capítulos.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

JOGO DE SOMBRAS


Era neste edifício de Jean Nouvel, a Torre Agbar, que a edilidade de Barcelona tencionava instalar a Agência Europeia do Medicamento. O facto de lá estar a funcionar a Companhia das Águas da cidade é um pormenor descartável. Ada Colau, a alcaldesa da capital catalã, no melhor espírito aqui quem manda sou eu, ofereceu a torre icónica na convicção de deslumbrar este mundo e o outro. Agora, face à escolha de Amesterdão, andam todos (em Barcelona) a arrancar os cabelos uns aos outros, com acusações mútuas de boicote.

A DUI é o pretexto mais enfático, mas, com DUI ou sem DUI, nenhuma cidade situada fora do eixo Bruxelas/Berlim teria condições de ser escolhida. Barcelona gastou milhões numa candidatura tão mirífica como a do Porto, que não sei quanto gastou, mas terão sido centenas de milhares de euros, que faziam mais falta para requalificar toda a área da Campanhã, entre outros exemplos possíveis.

Se Rui Moreira, o presidente da Câmara do Porto, fosse inteligente, teria percebido, no dia em que Lisboa desistiu, que tudo não passava de um jogo de sombras.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

EMA

Quem vai acolher a sede da EMA — Agência Europeia do Medicamento — é Amesterdão.

Depois da primeira volta em que Milão venceu com 25 votos, ficando Amesterdão e Copenhaga empatadas com 20 votos cada, a segunda volta manteve o empate nas capitais da Holanda e da Dinamarca, com 13 votos cada, descendo Milão para 12. Em vez de terceira volta, houve sorteio, ganhando Amesterdão.

Números da 1.ª volta: Milão, 25 votos / Amesterdão, 20 / Copenhaga, 20 / Bratislava, 15 / Barcelona, 13 / Estocolmo, 12 / Porto, 10 / Bucareste, 7 / Varsóvia, 7 / Bruxelas, 5 / Helsínquia, 5 / Viena, 4 / Bona, 3 / Lille, 3 / Sófia, 3. Atenas, Dublin, Malta e Zagreb desistiram de concorrer.

Se tinha de ganhar uma cidade do eixo Bruxelas/Berlim, para quê a encenação das candidaturas?

PESADELO


E se, nas próximas presidenciais, o Brasil cair no colo de Jair Bolsonaro? Há um ano, isto era ficção científica. Hoje é uma probabilidade consistente. Ao pé de Bolsonaro, Trump é um estadista social-democrata. Membro da Câmara dos Deputados, Bolsonaro, 62 anos, católico, militar na reserva, defensor declarado da ditadura militar (1964-85) e da tortura, homofóbico, anti-feminista, anti-aborto, xenófobo, sucessivamente multado pelo teor das suas declarações incendiárias. Numa sessão do Congresso, em 2014, declarou não estuprar uma deputada porque ela nem para isso servia.

Este homem sinistro tem 20% nas intenções de voto. Nos seus discursos, Bolsonaro repete que os artistas, os gays e as feministas promovem a pedofilia e a zoofilia; que as universidades são dominadas por patrulhas marxistas; e que obras imorais devem ser retiradas dos museus.

Uma exposição queer, realizada em Porto Alegre, foi fechada por pressão sua, exercida sobre Gaudêncio Fidelis (o organizador) e o Banco Santander (mecenas). Gaudêncio Fidelis está a ser investigado pela polícia, tal como o director do Museu de Arte Moderna de São Paulo, a pretexto da imoralidade de obras expostas. Caetano Veloso é outro alvo.

Bolsonaro está por trás do Movimento Brasil Livre, formado por jovens que defendem o liberalismo económico, a prisão de Lula e Dilma, e uma catarse moral. Usam as redes sociais para difundir campanhas contra artistas, intelectuais, professores e jornalistas. Referindo-se a gays e feministas, uma das frases preferidas de Bolsonaro é: «Eles merecem ser baleados».

Na imagem, uma manif de repúdio pela presença de Judith Butler no Brasil.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

EUROSONDAGEM


Maioria de Esquerda = 55,6%. Sozinho, o PS ultrapassa a PAF em 5%. Clique na imagem do Expresso para ler melhor.

ARY

Brevíssima Antologia da Poesia Com Certeza
J.C. ARY DOS SANTOS / 1973

Morramos todos por isso
Mais por isto e por aquilo:
no açougue do toutiço
a poesia morre ao quilo.
/
Carne gorda carne magra
raramente entremeada
com açorda com vinagre
poucas vezes com mostarda
cheira mal diz a comadre
cheira bem fareja o frade
e logo responde o padre
em tom de falso derriço:
Morramos todos por isso
atados como o chouriço!
/
Só a textilopoesia
nesta meada das letras
muitas vezes desenfia
um colar de contas pretas:
Dona Ernesta vai à missa
toda bordada a missanga;
faz poemas com alpista
tira fonemas da manga
e devotada e artista
diz em tom de lenga-lenga
a oração concretista
da melhor raça podenga:
Deuspeus paipai é quepe
estes poemas fezpez:
— Melo e Caspa faz poemas
como quem tem dores nos pés.
/
Diz o Alexandre O'Neill
que às vezes lhe falta um til.
Ora ponha-o na cabeça
para ver como se acaba
o que depressa começa
quando a chegada desaba!
Mas se não fosse o O'Neill
Portugal não tinha Abril.
— Ai meu adeus pequenez
o que será deste mês
se nos não chove de vez?
Bem choveu. Ele que fez?
Tropeçou-nos de ternura
a todos como bem quis.
Em Lisboa amor procura
Alexandre Português
que é gaivota e não o diz.
/
Já o mesmo não direi
— que me desculpe o Pacheco —
de dona-fiama-irei-
-ao-fundo-do-mar-a-seco.
/
Descobriu monstros marinhos.
É certo. Mas foi por eles
que errando pelos caminhos
ficou cecília mais reles.
/
Vila do Conde é maior
que todo o fundo do mar
e o Zé Régio é o melhor
descobridor a cantar.
Se a poesia é uma ostra
em Portalegre cidade
acha a pérola quem mostra
a invenção da verdade.
Na varanda do suor
em tristalegre saudade
José Régio fez um filho
que lhe nasceu por amor
e já de maior idade.
/
Também Natália é parida
do parto de suas dores
e faz poemas que dançam
toucados de mosto e flores.
/
Natália ninfa nascida
na ilha de seus amores
quando Camões lhe deu vida
por outros descobridores.
/
Sei bem que tal não agrada
a Dom Frei Gastão da Cruz
que só não é agostinho
por falta de água e luz.
/
Mas um poeta mesquinho
a própria água reduz
quando mija em vez de vinho
desperdícios de alcatruz.
— Pois que mije a toda a hora
e que vá puxando à nora...
/
Mas há coisas que se puxam
que não podemos saber
coisas que nascem estrebucham
antes de alguém as dizer:
Viva o Zé Gomes Ferreira
quando inventa uma roseira.
Viva o Manuel da Fonseca
quando nos fala da seca
e viva Miguel que outorga
as livre mesmo que morda.
/
E tu e tu que me pões
um mago dentro da cama
filho do pai de Camões
Mário de rosas e lama
Cesariny Vasconcelos
nomes que a choldra não grama
porque tu não vais com eles
e ficas em verde rama
tocando no bolso esquerdo
os nomes de quem te chama.
/
Só é poeta quem perde
o corpo de quem mais ama
— Isto o dirá em verdade
o grande Eugénio de Andrade.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

JAVIER CERCAS


Hoje na Sábado escrevo sobre O Monarca das Sombras, de Javier Cercas (n. 1962), um dos nomes centrais da literatura espanhola contemporânea. Com meia-dúzia de livros publicados no nosso país, os leitores sabem que O Monarca das Sombras, agora traduzido, retoma o tema nunca esgotado da Guerra Civil de Espanha, iniciado com Soldados de Salamina. Desta feita, a abordagem faz-se a partir da figura de Manuel Mena, o tio-avô que integrou as forças falangistas e, em 1938, com apenas dezanove anos, foi abatido durante a batalha do Ebro. Como sempre, o autor documenta o texto com grande minúcia. Ilustrado com fotografias de Manuel Mena e fac-símiles, o livro é um compósito de memórias e narrativa histórica, embora o autor o considere um romance. O primeiro parágrafo tem a secura e a precisão de um verbete de dicionário: nome, idade, função… Foi a forma encontrada para reconciliar-se com o passado. Não se trata de julgar, mas de tentar perceber o que levou um adolescente a escolher o lado errado da História, comprometendo e atormentando os vindouros com a vexata quaestio. Autor e primeiro narrador são a mesma pessoa: «Era tio paterno da minha mãe […] antes de ser escritor já pensava que um dia teria de escrever um livro acerca dele.» Mas há um segundo narrador que cita o autor pelo nome («A verdade é que Paco Cercas, avô de Javier Cercas…») e até faz hermenêutica com a obra respectiva. É esse narrador, doublé de historiador, que investiga e faz luz sobre os factos: «O resultado só pode descrever-se como uma carnificina indescritível.» Segue-se o sombrio inventário de baixas, locais de combate, identidade dos principais intervenientes, circunstâncias exactas da morte de Manuel Mena, etc. Como alguém disse, com propriedade, trata-se de um romance sem ficção. Porém, num detalhe fútil, o autor “derrapa”: nos anos 1950, a peseta tinha uma cotação residual, sendo fantasioso afirmar que «trezentas e quinze pesetas e noventa e seis cêntimos» correspondem ao equivalente «aproximado a trezentos e cinquenta euros actuais» Mas não será um deslize que afectará O Monarca das Sombras. Publicou a Assírio & Alvim. Quatro estrelas.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

AUSTRÁLIA


Ontem, dias depois da Nova Zelândia, uma maioria de 62% de australianos disse sim ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em Sydney e Melbourne a média foi de 84%. Num país onde a comunidade LGBT tem tanta força, é extraordinário que só agora o Governo e o Parlamento tenham mostrado vontade de legislar nesse sentido. O diploma final será publicado «antes do Natal», garantiu o primeiro-ministro Malcolm Turnbull. O líder da Oposição, Bill Shorten, afirmou: «Hoje celebramos, amanhã legislamos.» Sir Peter John Cosgrove, governador-geral de Sua Majestade, também se congratulou com o resultado. Várias personalidades já demonstraram o seu entusiasmo, entre elas Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá, Tim Cook, o patrão da Apple, e David Cameron, ex-PM britânico. Gays australianos assumidos, como Ian Thorpe, o campeão olímpico de natação, Penny Wong, a líder dos trabalhistas, e Alan Joyce, CEO da companhia de aviação Qantas, foram alguns dos que se juntaram às manifestações de júbilo nas ruas de Sydney, Melbourne, Camberra e Perth. A Austrália torna-se assim o 26.º país a reconhecer, em todo o seu território, o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Imagem: celebração em Melbourne. Clique.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

OITENTA ANOS


Faz agora 80 anos foi publicado Indícios de Oiro, de Mário de Sá-Carneiro (1890-1916), poeta maior da língua portuguesa em qualquer época. Foi portanto em 1937 que estes poemas pela primeira vez se publicaram em livro. Nos anos 1970, 80 e 90 seriam publicados, em livro, outros inéditos do poeta. Convém lembrar a efeméride: oitenta anos.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

ANCRAGE?


Entrevistado hoje pelo jornal belga Le Soir, Puigdemont afirmou:

«Une autre solution que l’indépendance est possible. C’est toujours possible! J’ai travaillé pendant trente ans à obtenir un autre ancrage de la Catalogne dans l’Espagne!» Vero?

Lembrar que o ex-president fugiu para Bruxelas há dezassete dias, convencido que punha a Catalunha na agenda internacional. Já verificou que estar na capital da Europa, ou em Adelaide, na Austrália, é a mesma coisa. O flop diplomático é total. Não obteve, como pretendia, estatuto de exilado político, situação que evitaria os empecilhos judiciais em que está metido. Não conseguiu ser recebido por Juncker, nem por Tusk, nem sequer pela senhora Mogherini. Que se saiba, não conseguiu ser recebido na sede da Nieuw-Vlaamse Alliantie, o partido independentista flamengo que tem ministros no Governo e grande representação parlamentar. Admitindo que tenha havido um encontro privado com algum dirigente do N-VA, é pior a emenda que o soneto. Nenhum canal de televisão o convidou para uma entrevista em directo. Cereja em cima do bolo, não conseguiu ser convidado por nenhum grupo de eurodeputados para ir ao Parlamento Europeu.

E agora ainda tem Ada Colau à perna. A alcaldesa de Barcelona exige explicações sobre a fuga e as implicações económicas da DUI.

Clique na imagem do Soir.

domingo, 12 de novembro de 2017

WEB SUMMIT, PANTEÃO & FRIOLEIRAS


Paddy Cosgrave, o patrão da Web Summit, publicou no Twitter um comunicado explicando a escolha do Panteão para o jantar: os irlandeses celebram a morte e, nessa medida, queria que os seus convidados (um grupo restrito de investidores de topo) estivessem perto dos heróis de Portugal. Em Dublin, por exemplo, o mais importante jantar dos fundadores da Web Summit teve lugar na Christ Church Cathedral, ou seja, «in the largest crypt in the UK and Ireland.» Está explicado.

O aluguer de monumentos nacionais para a realização de eventos mundanos é possível porque o subsecretário de Estado da Cultura do Governo PSD/CDS, Jorge Barreto Xavier, impôs o Despacho n.º 8356/2014, de 24 de Junho, à Direcção Geral do Património Cultural. Um pro forma, pois já desde 2013 se faziam jantares no Panteão.

O cúmulo do ridículo é ver o PSD e o CDS a arrancarem os cabelos.

Clique nas imagens do Twitter e do jantar da Web Summit.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

ACTO SIMBÓLICO


O juiz Pablo Llarena, do Supremo Tribunal de Espanha, deu um prazo de sete dias a Carme Forcadell para pagar uma fiança de 150 mil euros e, assim, sair da prisão de Alcalá Meco para onde seguiu esta noite. A ex-Presidenta do Parlamento catalão afirmou durante a inquirição que «a declaração unilateral de independência da Catalunha foi um acto simbólico sem efeitos jurídicos». Quando sair da prisão está proibida de sair de Espanha.

Os outros membros da Mesa, Lluís Maria Corominas, Anna Simó, Lluis Guinó e Ramona Barrufet, aguardam o julgamento em liberdade, tendo sete dias para pagarem, cada um deles, uma fiança de 25 mil euros.

Joan Josep Nuet, que votou contra a DUI, saiu em liberdade, sem fiança, mas com termo de identidade e residência.

A HORA DO SUPREMO


Acusados de rebelião, sedição, desvio de fundos públicos, prevaricação e desobediência, Carme Forcadell, ex-Presidenta do Parlamento catalão, bem como Lluís Maria Corominas, Anna Simó, Lluis Guinó, Ramona Barrufet e Joan Josep Nuet, membros da Mesa, começaram hoje a ser ouvidos no Supremo. O MP pede prisão incondicional para todos, excepto Joan Josep Nuet, que votou contra a DUI. À chegada ao tribunal foram recebidos com insultos e um mar de bandeiras de Espanha. Recordar que o Supremo avocou todos os processos referentes ao referendo e à DUI que corriam nos tribunais catalães.

Na imagem, Carme Forcadell, hoje. Foto de El País. Clique.

SAGAN & KENZABURO


Hoje na Sábado escrevo sobre Bom Dia, Tristeza de Françoise Sagan (1935-2004). Em Março de 1954, a vida literária francesa foi abalada por um escândalo não previsto: uma adolescente de 18 anos acabava de publicar o seu primeiro romance, Bonjour Tristesse. Nunca uma menor de idade ousara desafiar as convenções. Sagan não vinha do bas-fond nem estava por conta de um editor oportunista. Pelo contrário, era filha da grande burguesia industrial francesa e frequentava o beau monde mais exclusivo. A sua passagem por um convento tinha sido uma vénia à tradição de libertinagem do século XVIII. As ondas de choque não impediram que o livro tivesse vencido o Prémio dos Críticos, por decisão de um júri que incluía gente como Bataille, Caillois e Blanchot. O filósofo existencialista Gabriel Marcel foi um dos seus defensores. Bom Dia, Tristeza regressa agora às livrarias portuguesas, na tradução de Isabel St. Aubyn, a mais recente das três que o livro teve em Portugal. Sagan fala sem eufemismos das exigências do corpo, de consumo de álcool e drogas, de relações livres: «Anne acariciava-me o cabelo, a nuca, muito terna. […] Nunca experimentara uma fraqueza tão usurpadora, tão violenta. Fechei os olhos. Parecia-me que o meu coração cessara de pulsar.» Era o início de uma Obra desigual mas prolífica: vinte romances e vários volumes de diário e memórias. Muitos dos seus livros foram adaptados ao cinema (a começar por este) e ao teatro, porque Sagan se tornou uma figura planetária e, sem que ainda se soubesse, a última escritora mundana. A imprensa nunca mais a largou: militância política contra a Guerra da Argélia e no Maio de 68, casos amorosos com homens e mulheres (a jornalista Annick Geille foi sua companheira durante muitos anos), dois casamentos e um filho, cocaína, orgias, noites de roleta em Monte Carlo, o traumático acidente quando conduzia o Aston Martin, o envolvimento com Mitterrand no caso do petróleo do Uzbequistão, acusações por fraude fiscal, doença e morte. Esta reedição em capa dura inclui ilustrações de Mily Possoz, o fac-símile do despacho da PIDE — que classificou o livro como «francamente amoral» —, e posfácio de Jorge Reis-Sá. Quatro estrelas. Publicou a Casa dos Ceifeiros.

Escrevo ainda sobre Morte pela Água, do japonês Kenzaburo Oe (n. 1935), Prémio Nobel da Literatura em 1994. Com meia dúzia de livros traduzidos no nosso país, o autor regressa às livrarias portuguesas com o seu romance mais recente, em tradução de Helder Moura Pereira feita a partir a edição de língua inglesa. O título é ‘roubado’ a The Waste Land, de T. S. Eliot. O narrador é Kogito Choko, alter-ego do autor que os leitores conhecem de obras anteriores. Pode-se dizer que Morte pela Água é um livro-testamento, a obra de um escritor que chega a um ponto da sua vida em que se vê coagido a mergulhar em lembranças remotas: a infância no campo e o tempo em que acalentava o sonho de ser escritor. Por outro lado, o conflito com as ambiguidades do Japão ‘imperial’ é um tema obsessivo. Além de Eliot e A Terra Devastada, Kenzaburo põe em pauta outras obras e autores, sendo Edward Said, que foi seu amigo, um deles. Iconoclasta, controverso, Kanzaburo Oe recusou a Ordem da Cultura por não reconhecer autoridade ao Imperador. Quatro estrelas. Publicou a Livros do Brasil.

O MURO


Com o derrube do Muro de Berlim, na noite de 9 de Novembro de 1989, a História mudou. Faz hoje 28 anos. Nessa noite, milhares de alemães da RDA atravessaram a fronteira que separava as duas Alemanhas. Nunca até então a utopia fora um facto. Em menos de um ano (ao fim de 339 dias), Helmut Kohl acabou com a RDA e fez a reunificação alemã. Em Dezembro de 1991, a URSS implodiu.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

UM SÉCULO

Faz hoje cem anos triunfou em Petrogrado, actual São Petersburgo, a primeira revolução comunista da História. Pelo calendário Juliano, era 25 de Outubro na Rússia, 7 de Novembro no Ocidente. Oito meses após a Revolução de Fevereiro que levou à abdicação de Nicolau II (o czar tinha contra si o povo, os militares, a intelligentsia, a grande nobreza, a nobreza boiarda, a classe política, os exilados e as Potências) e à tomada de posse de dois governos provisórios, o primeiro chefiado pelo príncipe Georgy Lvov, o segundo por Kerensky, a Revolução de Outubro derrubou a Monarquia e impôs o regime que durou até 26 de Dezembro de 1991. Deixou um saldo de mais de 50 milhões de mortos, número que inclui as vítimas do Holodomor, a grande fome da Ucrânia imposta por Estaline entre 1932 e 33. Até morrer em 1924, Lenine foi quase sempre o homem forte.

A URSS nasceu em 1922, agregando quinze países dentro das suas fronteiras, ao mesmo tempo que mantinha um controlo férreo sobre outros sete, teoricamente independentes: RDA, Polónia, Hungria, Checoslováquia, Bulgária, Roménia e Albânia. A entrada dos tanques do Pacto de Varsóvia em Budapeste (1956) e Praga (1968) acabou com as últimas ilusões. Tudo visto, a Revolução de Outubro acabaria por influenciar o rumo do século XX.

Hoje, em Moscovo e São Petersburgo, não está agendada nenhuma cerimónia oficial ou oficiosa para celebrar a data.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

LILI


Grande mulher. Vem a propósito citar Adília Lopes:

«Eu quero foder foder / achadamente / se esta revolução / não me deixa / foder até morrer / é porque / não é revolução / nenhuma [...]» — in Florbela Espanca Espanca, 1999.

WEB SUMMIT

Repito o que escrevi o ano passado. Faz-me confusão que um Governo do PS, apoiado pelo BE, PCP e PEV, patrocine a Web Summit. Eu sei que o evento coloca Lisboa no radar dos hot spots internacionais, enche hotéis, restaurantes, bares e discotecas, mas é o tipo que coisa que faria sentido ser apoiada pelo CDS. Os promotores da Web Summit sabem que o seu público-alvo são os jovens empreendedores que querem acabar com a Segurança Social, a Saúde e o Ensino público. A Web Summit é o triunfo do individualismo, cada um por si, sem deveres nem obrigações para com terceiros. Isto parece agit-prop. Se pensarem um bocadinho, vêem que não é.

TERROR


O terror voltou a abater-se sobre gente inocente. Até ao momento estão confirmados 26 mortos vítimas da matança da missa do meio-dia de domingo, na Primeira Igreja Baptista de Sutherland Springs (Texas). O atirador foi abatido. Tinha 26 anos e era um antigo soldado, expulso do Exército americano, com cadastro de violência doméstica sobre a mulher e o filho.

À esquerda da imagem o rosto do matador. Clique.

domingo, 5 de novembro de 2017

ESPERAR PARA VER

Os arautos catalanistas não têm motivo de satisfação. O MP belga limita-se a cumprir o protocolo, as démarches e os prazos estabelecidos na Lei. Tal como em Espanha, a Bélgica respeita a separação de poderes. Não havia razão para impor prisão preventiva a quem se apresentou voluntariamente e tem todo o interesse em estar na capital belga (até ao momento foram goradas as tentativas de um encontro com Jean-Claude Juncker), quanto mais não seja para desestabilizar o Governo, que depende do apoio de três partidos flamengos, um deles o independentista N-VA / Nieuw-Vlaamse Alliantie. Calma que a procissão ainda vai no adro.

CONDICIONAL


O juiz belga que os esteve a interrogar até às 20:40h acaba de conceder liberdade condicional a Puigdemont, Antoni Comín, Clara Ponsatí, Lluís Puig e Meritxell Serret. Enquanto prosseguir a instrução do processo de extradição, os cinco são obrigados a permanecer na Bélgica, sob vigilância policial e sem possibilidade de alterarem o domicílio declarado.

ARÁBIA SAUDITA


O mundo já não é o que era. Onze príncipes, um dos quais o todo-poderoso Al-Walid bin Talal, e ‘dezenas’ de antigos e actuais ministros, foram presos ontem em Riade. Em simultâneo, foram demitidos os dirigentes máximos da Marinha e da Guarda Nacional da Arábia Saudita (uma força interna de elite). O príncipe Miteb bin Abdullah, filho do antigo rei, foi afastado compulsivamente da guarda pretoriana da Casa Real.

Tudo aconteceu horas depois depois da publicação do decreto real que nomeou o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman, 32 anos, para chefiar a comissão anticorrupção do reino que tem por função «preservar o dinheiro público, punir pessoas corruptas e todos os que lucram com sua posição...» Que isto tenha acontecido no dia em um míssil, alegadamente do Iémen, caiu perto do aeroporto de Riade, inspira teorias de conspiração.

Clique na imagem do príncipe Mohammad bin Salman.

sábado, 4 de novembro de 2017

ASSÉDIO


Se a espiral de insinuações, revelações e acusações prosseguir, a próxima entrega de Óscares será assim. Clique na fotomontagem.

O FOLHETIM


A bola passou para a Bélgica.
Clique na imagem do jornal Le Soir.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

OS CINCO


A juíza Carmen Lamela já enviou para Bruxelas a ordem de captura, prisão e extradição de Carles Puigdemont, Antoni Comín, Clara Ponsatí, Meritxell Serret e Lluís Puig, acusados de rebelião, sedição, desvio de fundos públicos e crimes conexos, prevaricação e desobediência. As autoridades belgas tencionam cumprir o mandado com celeridade.

Imagem do jornal belga Le Soir. Clique.

OE 2018

Com os votos a favor do PS, BE, PCP e PEV, foi há pouco aprovado na generalidade o OE 2018. O PAN absteve-se. PSD e CDS votaram contra. A votação final global, na especialidade, está agendada para o próximo dia 27.

E vão três Orçamentos de Estado aprovados pela maioria de Esquerda.

SER OU NÃO SER

Visto a partir do Facebook ou do Twitter, o problema catalão tem sido uma espécie de ressonância magnética da forma como entre nós se pensa a democracia. E sobretudo do descaso que muita gente faz da separação de poderes. A democracia tem regras. O Estado de direito tem obrigações. Avaliar uma democracia pelo perfil de actuação da Justiça é um equívoco e, nalguns casos, um exercício de má-fé

Vejamos: Sócrates estava em Paris e veio a Portugal prestar contas ao MP. Isso não impediu a sua detenção à chegada ao aeroporto e onze meses de prisão preventiva. Temos de concluir que Portugal não é uma democracia?

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS


Em 1975, um grupo de autonomistas de extrema-direita fundou a Frente de Libertação dos Açores, que contou com apoio declarado da grande burguesia local e, de forma ambígua, do Departamento de Estado americano. Durante cerca de catorze meses, a FLA intimidou, ameaçou e fez tábua rasa da soberania portuguesa. A bandeira da FLA mantinha-se içada nos edifícios públicos. Sedes do PCP e do MDP/CDE foram destruídas em Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. Foi criado um Exército de Libertação dos Açores. O Rádio Clube de Angra estava por conta dos insurrectos. O general Altino Pinto de Magalhães, Governador Militar e Comandante-em-Chefe das Forças Armadas açoreanas, nada podia fazer. António Borges Coutinho, o Governador Civil, demitiu-se no dia da grande manifestação pró-independência.

Vamos imaginar que o episódio se repetia. Mas que, desta vez, além da independência, os separatistas eram monárquicos apostados em restaurar a Monarquia. Presumo que, nos termos da democracia praticada pelos românticos defensores de uma Catalunha independente, tudo se deve admitir, à revelia das Leis e da Constituição.

Ou haverá dois pesos e duas medidas?

Clique na imagem.